Por que o Instagram decidiu banir filtros que alteram feições dos usuários

As celebridades digitais criadas em computador
21 de março de 2020
Globo reduzirá consumo de dados de seus serviços de streaming
22 de março de 2020
SELFIE “PERFEITA” –  Simulações de alteração de aparência: distorções no processo de aceitação de si mesmo./.

Lançado em outubro de 2010, o Instagram é, por excelência, a rede social de compartilhamento de fotos e vídeos. Com um detalhe: desde o início, o Insta — como costuma ser chamado no universo digital — mantém filtros que permitem ao usuário trabalhar em cima das imagens. A princípio, eles se limitavam a melhorar o contraste e simular a aparência de fotografias antigas. Com o tempo, foram se sofisticando, até chegar a modelos capazes de oferecer verdadeiras operações plásticas virtuais.

Lábios carnudos, nariz afilado, olhos de uma cor enebriante — com poucos toques surge na tela um rosto lindo, perfeito. O problema: trata-se de uma perfeição que beira o irreal. Não por coincidência, no caso das mulheres, a beleza proporcionada pelos filtros se aproxima da que é ostentada pelas integrantes do clã Kardashian — na vida real, devidamente esculpidas por bisturis. Kim, a mais badalada das beldades da família, tem no Instagram nada menos que 161 milhões de seguidores.

Um estudo realizado pela Academia Americana de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva Facial revelou que 55% dos cirurgiões atenderam pacientes que clamavam por ajustes em suas feições inspirados em fotos do Instagram. Pior: em 2018, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins descobriram que as pessoas estavam levando as próprias selfies filtradas como referência para possíveis procedimentos plásticos, a fim de transformar o virtual em real — num claro sinal de baixa autoestima.

As evidências não poderiam ser mais claras: os filtros não estavam fazendo nada bem aos usuários, ainda que fossem tratados como mera brincadeira. Alarmado, o Instagram decidiu banir o recurso que permitia as alterações mais radicais. O anúncio foi feito por meio de uma plataforma de realidade atrelada ao Insta, a Spark AR. As estatísticas são estrondosas: 1 bilhão de pessoas haviam usado filtros de transformação de rosto apenas no último ano. Essas alterações, que podiam variar de um brilho a mais nas bochechas a uma arrebitada no nariz, também incentivaram os usuários a experimentar distorções no formato do crânio e na cor da pele. Os filtros mais polêmicos eram o FixMe e o Plastica, pois permitiam simulações exageradas — incluindo hematomas comumente resultantes de cirurgias plásticas.

Continua após a publicidade

<span class="hidden">–</span>./.

O banimento dos filtros ocorre em meio ao debate sobre a relação entre as mídias sociais, a aparência física e a saúde psicológica dos usuários. Pesquisas recentes apontaram o surgimento da “dismorfia do Snapchat” — termo que se baseia no nome da rede concorrente do Instagram —, descrevendo como tais efeitos visuais conseguem afetar a percepção sobre o próprio corpo de quem os utiliza. A conclusão é que as selfies modificadas poderiam estar “obscurecendo a linha entre a realidade e a fantasia”, fazendo com que alguns indivíduos ficassem hiperfixados em falhas físicas irrelevantes e com aversão a uma aparência não padronizada. Um trabalho publicado no Journal of the American Medical Association mostrou que o uso de filtros faciais está associado a uma inclinação maior para se submeter a cirurgias plásticas.

Nesse cenário, as principais vítimas são os mais jovens, com idade inferior a 20 anos. Um estudo de 2019, nos EUA, registrou um aumento de 72% nas visitas aos centros de cirurgia plástica por pacientes com idade inferior a 30 anos. A influência das redes sobre eles é inegável. O fator agravante é que, na juventude, o córtex pré-frontal — a área do cérebro responsável pelo controle das ações impensadas — ainda não está inteiramente desenvolvido. Isso significa que esse público pode se prestar a uma modificação corporal sem avaliar sua real necessidade. Em agosto, o Instagram já havia restringido o alcance de posts sobre produtos de emagrecimento, como sucos e chás, para menores de 18 anos. Era, então, uma tentativa de mitigar a sua, digamos assim, impressão digital: promover o culto da imagem perfeita. Especialmente a do próprio usuário.

Publicado em VEJA de 11 de março de 2020, edição nº 2677

Confira os produtos da Etiquetaria Paulista!

Acesse:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *